Domingo, 31.10.10

Fragmento 112

 

" Nunca amamos alguém. Amamos, tão-somente, a ideia que fazemos de alguém. É a um conceito nosso - em suma, é a nós mesmos - que amamos.

 

Isto é verdade em toda a escala do amor. No amosr sexual buscamos um prazer nosso por intermédio de um corpo estranho. No amor diferente do sexual, buscamos um prazer nosso dado por intermédio de uma ideia nossa. O onanista é objecto, mas, em exacta verdade, o onanista é a perfeita expressão lógica do amoroso. É o único que não disfarça nem se engana.

 

As relações entre uma alma e outra, através de coisas tão incertas e divergentes como as palavras comuns e os gestos que se empreendem, são matéria de estranha complexidade. No próprio ato em que nos conhecemos, nos desconhecemos. Dizem os dois «amo-te» ou pensam-no e sentem-no por troca, e cada um quer dizer uma ideia diferente, uma vida diferente, até,porventura, uma cor ou um aroma diferente, na soma abstracta de impressões que constitui a actividade da alma."

 

"É de compreender que sobretudo nos cansamos. Viver é não pensar."

 

Bernardo Soares in Livro do Desassossego

publicado por Sonhos Trocados às 16:06 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Quinta-feira, 02.09.10

Era uma vez o Medo

 

Era uma vez uma menina que nasceu num reino muito longínquo.

Era uma bebé serena e audaz não tinha medo de estar sozinha e nunca chorava. Quando brincava no jardim subia às árvores e mexia em tudo o que era bichinhos.


Ao crescer começou a sentir medos...

Medo de ser gozada na escola, medo dos bichinhos que ela tanto apreciava, medo de se magoar quando subia às árvores, medo de cair, medo de dar erros a português e não saber fazer as contas ou a tabuada.

 

 

 

E a adolescência chega...

E a menina sente medo de não ser a melhor na escola e no seu grupo.

Sente medo que os rapazes trocem dela.

Sente medo que as amigas tenham inveja dela e por isso a ponham de parte.

Sente medo de se apaixonar.

Sente medo de se relacionar com as pessoas, porque todas as pessoas de quem gostava ficam sempre longe.

 

 

Chega a juventude...

Com ela vem o medo de sair de casa e encontrar um mundo novo....

E aí a menina fechou-se e não se relacionou com as pessoas, porque sentia medo de criar laços e ter que partir e ter medo de sentir a sua falta.

Apaixonou-se e negou a ela mesma, porque tinha medo de sofrer.

Foi amada e não deixou porque teve medo de desiludir.

Amou e fugiu porque teve medo de perder.

Fugia  das crianças, porque tinha medo de nunca ser mãe.

 

 

 

 

 

 

 

Não tocou o seu peito, porque tinha medo de encontrar algo errado.


 

Um caroço de medo despontou no seu peito...

E então a menina que agora era mulher deixou de sentir MEDO de:

Ser Mulher

Amar e ser Amada

Estar Apaixonada

Sorrir

Viver

Correr

Brincar

SER FELIZ!

 

 

 

Mas não teve muito tempo…

E quando por fim a viagem terminou e ela se encontrava em algum lugar a reflectir no que tinha feito da sua vida verificou que por ter MEDO nunca foi feliz.

 

O desejo da menina era voltar a nascer para não sentir medo de viver.

 

publicado por Sonhos Trocados às 00:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Abril 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

comentários recentes

Posts mais comentados

arquivos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO